O que é transtorno mental?
O que é dependência química?

Dependência Química

cocaína é uma substância capaz de estimular o sistema nervoso central, causando aceleração do pensamento, inquietação psicomotora, aumento do estado de alerta, inibição do apetite, perda do medo e sensação de poder. No entanto, as sensações agradáveis por ela proporcionada duram curto período de tempo, e após seus efeitos, a pessoa pode ser levada a um estado de depressão, necessitando de outras doses da droga. Um dos principais efeitos da intoxicação aguda por cocaína é a sensação de prazer descrita muitas vezes como euforia.
O crack é resultante da mistura de cocaína, bicarbonato de sódio ou amônia e água destilada, resultando em grãos que são fumados em cachimbos.
O uso contínuo dessas substancias pode levar a sérias complicações cardiovasculares, respiratórias, gastrointestinais, perda da capacidade sexual, entre outras. Quanto aos problemas psicológicos causados pelo uso em longo prazo, estão a depressão, ansiedade, irritabilidade, agressividade, dificuldades de concentração, e sentimentos de perseguição (paranoia). Fisicamente, a inalação deixa lesões graves no nariz e a injeção deixa marcas de picada e o risco de contaminação por outras doenças (por ex. AIDS). Quando a dependência se estabelece, o indivíduo limita o seu comportamento apenas para a busca e a utilização da droga, coloando de lado todas as outras atividades.

Alguns efeitos agudos do uso dessa substância:
1) euforia que frequentemente evolui para disforia (mudança repentina e transitória do estado de ânimo);
2) sensação de energia aumentada;
3) sensação de melhor funcionamento;
4) aumento das percepções sensoriais (sexuais, auditivas, táteis e visuais);
5) diminuição do apetite;
6) aumento de ansiedade e suspeição;
7) diminuição da necessidade de sono;
8) diminuição do cansaço e fadiga;
9) aumento da auto confiança, egocentrismo;
10) delírios persecutórios;
11) tonturas, tremor, hiperreflexia, febre, midríase (dilatação da pupila), sudorese, taquipnéia (ritmo respiratório acelerado), taquicardia (ritmo cardíaco acelerado), hipertensão;

Efeitos Patológicos do Uso Crônico 
1) ao aumento da sensibilidade e potencialização da atividade motora com reações exageradas ao susto;
2) discinesia (aumento da atividade motora);
3) taquicardia;
4) hipertensão;
5) vaso constrição da artéria coronariana com diminuição do fluxo sanguíneo, gerando um aumento da incidência de isquemias durante a abstinência;
6) arritmia;
7) miocardite ou cardiomiopatia relacionada à catecolamina;
8) diminuição do limiar convulsivo, facilitando então o surgimento de convulsões;
9) vasoconstricção cerebral com aumento de Acidente Vascular Cerebral;
10) tosse crônica com secreção preta especialmente para os usuários de estimulantes fumados (crack);
11) edema pulmonar;
12) pneumonia granulomatosa com hipertensão pulmonar;
13) "pulmão de crack" (dor torácica e infiltrado alveolar difuso);
14) inflamação e atrofia da mucosa nasal;
15) sinusite crônica;
16) necrose e até perfuração do septo nasal;
17) ulceração de gengiva devido a aplicação de cocaína oral;
18) placenta prévia, quando usada durante a gravidez;
19) aborto espontâneo;
20) sofrimento fetal;

A cocaína também pode induzir ataques de pânico, inclusive desencadear a Síndrome do Pânico que persiste mesmo após a interrupção do uso da droga. A fissura (desejo de repetir o prazer experimentado), juntamente com os sintomas depressivos de abstinência da droga podem levar ao uso repetido e compulsivo da droga.

E-book Gratuito

Quer mais informações sobre dependência química ou transtorno mental? Cadastre-se e receba nosso e-book completo sobre o assunto.