O que é transtorno mental?
O que é dependência química?

Notícias

Entenda o Transtorno Bipolar

29/08/2017

O Transtorno Afetivo Bipolar é um distúrbio psiquiátrico complexo e que está associado com alterações de humor entre a mania e a depressão, que podem ser rápidas e ocorrer com muita ou pouca frequência. A doença é bastante comum e atinge mais de 2 milhões de pessoas anualmente no Brasil.

De acordo com o DSM.IV e o CID-10, manuais internacionais de classificação diagnóstica, o transtorno bipolar pode ser classificado das seguintes formas:

– Transtorno bipolar Tipo 1: Quando o paciente apresenta pelo menos um episódio de transtorno bipolar e um de depressão profunda. Nesse caso, os sintomas são intensos e podem provocar profundas mudanças no comportamento e na conduta do portador;

– Transtorno bipolar Tipo 2: Os pacientes nunca expuseram casos maníacos completos. Existe uma alternância entre os episódios de depressão e os de hipomania (situação mais leve de euforia, otimismo, excitação e, em alguns casos, agressividade), sem comprometer o comportamento e atividades do portador;

– Transtorno bipolar não identificado ou misto: Os sintomas podem sugerir o diagnóstico, mas a frequência com que ocorrem não é suficiente para classificar a doença em um dos tipos mencionados anteriormente;

– Transtorno ciclotímico: Envolve oscilações de humor menos graves, podendo ocorrer até no mesmo dia. Nesse caso, o paciente apresenta sintomas de hipomania e depressão leve.

Os sintomas do transtorno bipolar são, geralmente:

Depressão: Humor deprimido, tristeza profunda, desinteresse pelas atividades do dia a dia, isolamento social, alterações de sono e do apetite, cansaço, dificuldade de concentração e culpa excessiva.

Mania: Estado de euforia, necessidade de sono, agitação psicomotora, desvio de atenção, compulsão para falar, irritabilidade, impaciência crescente, mania de grandeza, gastos descontrolados e, em casos mais graves, delírios e alucinações.

Hipomania: Sintomas semelhantes aos da mania, porém bem mais leves. A crise é breve e dura poucos dias.

Vale destacar que ainda não foi identificada a causa da doença, mas já se sabe que fatores genéticos e possíveis alterações na área do cérebro, estão envolvidos. Em geral, o diagnóstico pode levar até 10 anos para ser concluído, devido aos sinais que podem ser confundidos com outras doenças como esquizofrenia, depressão, síndrome do pânico e ansiedade. O transtorno não tem cura, mas pode ser controlado. O tratamento inclui o uso de medicamentos, mudanças no estilo de vida, tais como o fim do consumo de substâncias alcoólicas e cafeína, além de psicoterapia.

E-book Gratuito

Quer mais informações sobre dependência química ou transtorno mental? Cadastre-se e receba nosso e-book completo sobre o assunto.